Compartilhe com seus amigos.

domingo, 18 de outubro de 2009

Dia Mundial das Missões 2009


Homilia do Padre Raimundo Nonato, Administrador Diocesano e Pároco do Ipu, por ocasião do dia mundial das missões.

(18 DE OUTUBRO)

O Santo Padre exorta a reavivar a consciência do mandato missionário de Cristo, a fim de com "todos os povos se tornem seus discípulos" (Mt 28, 19), seguindo as pegadas de São Paulo, o Apóstolo dos Povos.

A missão da Igreja é iluminar com a luz do Evangelho todos os povos em seu caminho para Deus na história, a fim de que n'Ele encontrem a sua plena realização. Devemos sentir o anseio e a paixão de iluminar todos os povos, com a luz de Cristo, que resplandece no rosto da Igreja, para que todos se reúnam na única família humana, sob a amável paternidade de Deus.

O Papa aponta também que todos os povos são chamados à salvação. Ele diz:
A humanidade inteira tem a vocação radical de voltar à sua fonte, que é Deus, no qual somente ela encontrará a sua plenitude final com a restauração de todas as coisas em Cristo. A missão da Igreja é "contagiar" de esperança todos os povos. Por isso, Cristo chama, justifica, santifica e envia os seus discípulos a anunciar o Reino de Deus, a fim de que todas as nações se tornem Povo de Deus.

O Santo Padre reafirma que a Igreja é peregrina. A Igreja é responsável por anunciar o Evangelho a todos os povos. Ela, geme de esperança por vocação, deve continuar o serviço de Cristo no mundo na construção do Reino de Deus que mesmo não sendo deste mundo é também neste mundo e em sua história força de justiça, paz, verdade e respeito pela dignidade de todo o ser humano. Durante muito tempo se falava da Missão externa, longe, chamada ad gentis, indo para outros países. Hoje a Igreja diz que tem essa necessidade. Muitos povos ainda não conhecem Jesus.

Ela também diz que essa missão, ad gentis, ou seja, para anunciar pessoas que não ouviram falar de Jesus pode estar também bem pertinho de nossa casa, que em nossa caridade vamos encontrar pessoas que estão afastadas da igreja que parecem que vivem no estrangeiro, parece que nunca ouviram falar de Deus, vivem completamente indiferentes. E às vezes isso acontece na nossa própria casa. A gente sai pra Missa, a esposa convida o marido ou o marido convida a esposa ou os pais convidam os filhos e a resposta é a indiferença. Isso é para mostrar que nós vivemos em terra de missão.

Por fim, o Santo Padre fala daqueles que mesmo nessa situação dão a própria vida, que são os mártires de hoje. Ele conclui dizendo: O impulso missionário sempre foi sinal de vitalidade de nossas Igrejas. A evangelização é obra do Espírito, e que antes mesmo de ser ação, é testemunho e irradiação da luz de Cristo por meio da Igreja local, que envia os seus missionários e missionárias para além de suas fronteiras. Rogo a todos os católicos que peçam ao Espírito Santo que aumente na Igreja a paixão pela missão de difundir o Reino de Deus e de sustentar os missionários, as missionárias e as comunidades cristãs empenhadas nesta missão, ás vezes em ambientes hostis de perseguição.