Compartilhe com seus amigos.

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Como fazer uma boa catequese


A catequese é uma atividade fundamental na vida de uma paróquia. Por isso, é necessário que ela tenha uma boa organização e planejamento. Uma boa organização catequética ajuda a alcançar os objetivos propostos, a manter um clima de amizade, a assumir com entusiasmo o planejamento e a adotar uma atitude de trabalho em conjunto. Mas, é preciso ter cuidado de não levar em conta só as estruturas, os mecanismos de coordenação, os organismos. Isso constitui sua parte estática e teórica. A vitalidade e o dinamismo vêm das pessoas. São relações puramente humanas, mas de: confiança, de otimismo, de partilha, de amor.
Há diferença entre organização formal e informal.
A organização formal é que está definida pela instituição. Por exemplo: os níveis eclesiais (diocesano, paroquial, comunitário...); os organismos (assembléias, conselhos, comissões, equipes...) e os primeiros responsáveis (bispos, párocos, religiosos e leigos engajados).
A organização informal diz respeito ao elemento humano. Não é possível esperar que as pessoas atuem estritamente dentro dos marcos previstos pela organização formal. Como grupo de pessoas, entram aí aspectos de afinidade, de empatia, tipo de liderança, capacitação.. Assim sendo, é somente juntando a organização formal com a informal que temos a organização real, isto é, como realmente ela funciona.


A organização tem como ponto de referência o pároco, o conselho paroquial e a equipe de coordenação da catequese que dirigem as atividades catequéticas. Cada catequista, para ser eficiente no desenvolvimento de suas atividades, precisa conhecer:


* Suas funções específicas;

* Quem são seus colaboradores mais próximos;

* De quem depende e quem depende dele.

E útil que todos se conheçam; e conheçam como estão constituídos os grupos de trabalho, os conselhos, os organismos de decisão, etc.


Não existe nenhuma organização sem que haja lideres. "Necessitamos de líderes!" Esse grito ressoa em diversos campos; social, industrial, político e religioso. Muitos problemas religiosos e, principalmente, os da catequese provém da falta de organização e de método de trabalho. A Bíblia nos ajuda a pensar na liderança, aconselhando a fazer o seguinte:

A BÍBLIA NOS AJUDA A ORGANIZAR A CATEQUESE
Ex 18, 19-23;
O fundamental para uma boa catequese ainda continua sendo a Pessoa do Catequista. Lembrar sempre que ele representa a sua igreja e a pessoa de Jesus Cristo, por isso tem que falar sempre em nome Dele. Buscar sempre meios alternativos para dinamizar sua catequese.... A maioria dos catequistas de hoje reclamam muito pela falta de espaço físico e falta de recursos. Na verdade a catequese não deveria ser em salas de aula, pois a pedagogia catequética tem que ser diferenciada da pedagogia acadêmica. 

Os recursos devem ser sempre naturais, forçando o catequisando a entrar em contato com Deus através da oração, Palavra de Deus (Bíblia) ação e natureza. Mostramos aqui um modelo simples de catequese, com recursos avançados, mas em contato com a natureza. Dinamize sua catequese com os recursos que Deus lhe deu. Lembre-se que todos os bens que você tem é obra e graça de Deus e devem ser colocados à disposição dos queridos de Deus, os pequeninos.



Conheça mais a nossa catequese visitando os nossos Álbuns de Fotos no Facebook e aproveite para curtir nossa página. Conheça também nosso álbum no Google Nossos Álbuns desde 2007

Osorio Soares.
Leia a matéria completa aqui ►

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Outubro O Mês das Missões e o Mês do Rosário



Estamos chegando ao final do mês das missões, outubro, Tempo de reflexões sobre missões. Este mês dedicado as missões comemoramos logo no dia 1º de outubro o dia de Santa Teresinha do Menino Jesus, a padroeira das missões, para a parte de oração e intercessão. Para o lado da ação missionária o padroeiro é S. Francisco Xavier, apóstolo dos Países da Ásia Sul – Oriental e é comemorado no dia 3 de dezembro.
Outubro é um mês rico de festas litúrgicas, solenidades e memórias. A Igreja nos pede mais fervor na oração do rosário. Comemoramos no dia 7 de outubro a festa da Bem-Aventurada Virgem do Rosário. A Virgem nos convida a contemplar a beleza dessa prece tão simples e tão profunda.
Leia a matéria completa aqui ►

Dinâmicas de Grupo para a catequse


Dinâmica de grupo é uma ferramenta de estudo de grupos e também um termo geral para processos de grupo. Em psicologia e sociologia, um grupo são duas ou mais pessoas que estão mutuamente conectadas por relacionamentos sociais. Por interagir e influenciarem-se mutuamente, grupos desenvolvem vários processos dinâmicos que os separam de um conjunto aleatório de indivíduos. Estes processos incluem normas, papéis sociais, relações, desenvolvimento, necessidade de pertencer, influência social e efeitos sobre o comportamento. O campo da dinâmica de grupo preocupa-se fundamentalmente com o comportamento de pequenos grupos. Grupos podem ser classificados como agregados, primários, secundários e grupos de categoria, também aplicado em testes para admissão em empregos.

As dinâmicas são exercícios com espírito lúdico, que têm por objetivo criar oportunidades preciosas de convívio enriquecedor para os participantes, estreitando os laços entre os envolvidos e trazendo mais vigor às relações humanas.
As dinâmicas são consideradas instrumento de grande eficácia para questões de motivação, criatividade, assertividade, cooperação e outros. São utilizadas para levantar diagnóstico e ajudar a melhorar o trabalho em grupo dentro das instituições.
Dynamis é uma palavra grega que significa força, energia, ação. Quando Kurt Lewin utilizou essa expressão e começou a pesquisar os grupos, seu objetivo era o de ensinar às pessoas comportamentos novos através da Dinâmica de Grupo, ou seja, através da discussão e de decisão em grupo, em substituição ao método tradicional de  transmissão sistemática de conhecimentos.
O que se espera alcançar de resultados, com a utilização da Dinâmica de Grupo?
Alguns objetivos gerais são:
A) Desinibir a capacidade criadora dos participantes, levando-os a se tornarem bastante desenvoltos;
B) Melhorar a capacidade de comunicação dos participantes;
c) Contribuir para construir novas relações entre os seres humanos;
d) Resgatar a auto estima dos participantes;
e) Desenvolver a capacidade de respeitar as diferenças individuais e a
diversidade cultural;
f) Auxiliar no desenvolvimento da capacidade de amar;
g) Estimular a reflexão e a revisão de atitudes e comportamentos,
levando a novas formas de ser e conviver.
h) Aumentar a coesão do grupo;
3
i) Proporcionar um aperfeiçoamento do trabalho coletivo. Aprender a
trabalhar em grupo;
j) Transformar o potencial do grupo, fazendo-o crescer em igualdade
harmônica de relacionamento interpessoal.
Na Dinâmica de Grupo o comportamento e as atitudes individuais serão transformadas em trabalho de grupo, isto, porque, os participantes se sentirão profundamente sensibilizados por aquilo que acontece, por sentirem e por observarem processo que eles aprenderão a conceituar.
Um dos maiores desafios da catequese é preparar crianças, não só para os sacramentos, mas também para a vida e vida em comunidade. Existem muitas maneiras para se alcançar estes objetivos. Um deles é o princípio metodológico da interação. No dia a dia usamos interações que produzem efeitos benéficos. Um exemplo disso é o fermento, a água e o trigo que ao se juntarem, misturarem, interagirem se transformam produzindo um pão capaz de matar a fome de muita gente.
Na catequese também é assim; é preciso fazer as crianças interagirem, misturando aquilo que é propriamente da fé (Bíblia, tradição, liturgia, doutrina, ensinamentos da Igreja...) com coisas que eles encontram no dia a dia (acontecimentos, realidade, situações, aspirações, clamores, fatos alegres e tristes, brincadeiras, dinâmicas...).
A finalidade não é oferecer diversão, mas um momento agradável, baseado em escolhas que apresentam resultados, ajude a criança à aprender brincando com objetos que conhecem muito bem. Desta maneira o catequista educa para Ação-Reflexão, baseados nos ensinamentos e testemunhos de Jesus, que se preocupou em educar seus discípulos para uma reflexão, partindo da vida (pobres, crianças, doentes, excluídos...), com um linguajar de fácil compreensão (Parábolas).
Pensando nisto estamos sempre preparando dinâmicas de acordo com a vida das crianças. Visite a nossa página de dinâmicas.

Leia a matéria completa aqui ►

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Primeiro encontro dos grupos da Infância e Adolescência Missionária.





No último domingo de setembro (30), Dia da Bíblia, os centros de Infância e Adolescência Missionária da Paróquia de Ipu, juntamente com a Catequese de 1ª Eucaristia, reuniu um número aproximado de 120 pessoas, entre crianças, adolescentes, jovens e adultos, no Auditório Nilo Carvalho do Patronato Sousa Carvalho, após a missa das 7h.
O objetivo era  promover um entrosamento maior entre os centros de IAM (Infância e Adolescência Missionária) da Paróquia. A  participação das crianças de 1ª Eucaristia neste evento foi um anseio de apresenta-las aos grupos de IAM de nossa Paróquia, alimentando o desejo  de que possam dar continuidade à sua formação religiosa a partir do ano de 2013, uma vez  que já terão realizado sua 1ª Eucaristia, estando assim, dando continuidade à vivência cristã dentro da Igreja de maneira mais comprometida.
Na ocasião foi partilhado um lanche entre os participantes e realizada uma rápida gincana bíblica, que por sinal foi muito bem participada, tendo em vista o conhecimento de nossas crianças e adolescentes sobre o Livro Sagrado de Deus. Foi uma rica oportunidade para testar os conhecimentos adquiridos por nossos catequisandos sobre a Bíblia.
É muito bom ver o quanto nossos pequenos conhecem sobre os fundamentos cristãos e de uma maneira alegre, dinâmica e participativa. Contamos com a participação de nosso vigário Pe. Fábio, que acredita no potencial de nossas crianças e adolescentes, os assessores dos grupos de IAM e os catequistas da 1ª Eucaristia, que por sinal, deram uma grande ajuda na organização. A vocês especialmente, o nosso muito obrigado.

Rogamos a Deus que ilumine a caminhada da IAM em nossa Paróquia, para que sejamos fortalecidos no âmbito na missão.
Maria Gorette Paiva Timbó
Assessora da IAM         
Leia a matéria completa aqui ►

Cadastro de todos os catequistas na CNBB


Com o objetivo de obter dados concretos sobre os catequistas no Brasil, e para saber como está sendo a presença deles nas paróquias, dioceses e regionais, a Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico–Catequética, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), montou uma plataforma para cadastrar os catequistas do país através do site da CNBB.
As informações deste cadastro de catequistas serão processadas e permitirão a elaboração dos distintos projetos de evangelização com maior aproveitamento, partindo de uma realidade concreta de cada região.
Vale ressaltar que o cadastro de cada catequista deve ser feito através das “Coordenações Paroquiais”. Portanto, a Paróquia do Ipu está convidando todos os seus catequistas a participarem da próxima reunião: Sábado dia 13 de outubro as 7h e Domingo dia 14, também as 7h no Patronato Sousa Carvalho para o encontro de formação e espiritualidade. Na oportunidade estaremos fazendo o cadastro de todos. Quem faltar esta reunião ficara difícil fazer o seu cadastro, já que o mesmo se encerra no dia 30 de outubro.
A Coordenação insisti na presença de todos os catequistas. Agradece a Coordenação Paroquial de Catequese.
Leia a matéria completa aqui ►

Santo Anjo da Guarda

Deus, que criou todas as coisas, criou também os anjos, para que o louvem, obedeçam e atendam. Criou-os para serem eternamente felizes e para que nos ajudem e guiem, especialmente toda a sua Igreja. Entretanto uma grande parte desses anjos cometeu o grave pecado da soberba, desejando tornar-se iguais ao próprio Criador. Por isso Deus os condenou e os precipitou no inferno, onde permanecerão para todo o sempre. Esses anjos rebeldes são chamados espíritos maus, diabos ou demônios, e têm como chefe Satanás.


Os anjos que ficaram fiéis a Deus são os chamados anjos bons ou simplesmente: anjos. Dentre esses é que Deus escolhe nosso Anjo da Guarda, que é pessoal e exclusivo, cuja função é proteger-nos até o retorno da nossa alma à eternidade. Ele nos ampara e nos defende dos perigos com que os espíritos maus nos tentam, na nossa vida terrena. "Porque aos seus anjos ele mandou que te guardem em todos os teus caminhos, eles te sustentarão em suas mãos, para que não tropeces em alguma pedra" (Sl 90,11-12).

Os Anjos da Guarda estão repletos de dons e privilégios especiais, com uma missão insubstituível ao longo da criação. Eles possuem a natureza angélica espiritual, que é a síntese de toda a beleza e de todas as virtudes de Deus, por isso impossível de ser representada.

Em um dos seus textos, são Francisco de Sales esclarece que a tarefa dos anjos é levar as nossas orações à bondade misericordiosa do Altíssimo e de informar-nos se elas foram atendidas. Assim sendo, as graças que recebemos nos são dadas por Deus, que é o princípio e o fim de nossa vida, através da intercessão de nosso Anjo Bom.

Deus confiou cada criatura a um Anjo da Guarda. Esta é uma verdade que está em várias páginas da Sagrada Escritura e na história das tradições da humanidade, sendo um dogma da Igreja Católica, atualmente também confirmado pelos teólogos. A devoção dos anjos é mais antiga até que a dos próprios santos, ganhando maior vigor na Idade Média, quando os monges solitários receberam a companhia dessas invisíveis criaturas, cuja presença era sentida nas suas vidas de silenciosa contemplação e íntima comunhão espiritual com Deus-Pai.

Todavia o Eterno Guardião, como o Anjo da Guarda também é chamado, tão solicitado e cuidado durante a infância, está totalmente esquecido no cotidiano do adulto, que, descuidando de sua exclusiva e própria companhia, não se apercebe mais de sua angélica presença. Mas este espírito puro continua vigilante, constante dos pensamentos e de todas as ações humanas.

O Anjo da Guarda é um ser mais perfeito e digno do que nós, criaturas humanas. Não podemos ignorá-lo. Devemos amá-lo, respeitá-lo e segui-lo, pois está sempre pronto a proteger-nos, animar e orientar, para cumprirmos a missão da vida terrena, trilhando o caminho de Cristo e, assim, ingressarmos na glória eterna.

A celebração especialmente dedicada aos Anjos da Guarda começou na Espanha, no final do ano 400, propagando-se por toda a Europa em poucos séculos. Antes, ela ocorria no dia 29 de setembro, junto com a do arcanjo Miguel, guardião e protetor por excelência. O dia 2 de outubro foi fixado em 1670, pelo papa Clemente X, para celebrar separadamente o nosso santo Anjo da Guarda. E para ele a Igreja ditou uma das mais belas orações, que diz: "Santo Anjo do Senhor, meu zeloso guardador, já que a ti me confiou a Piedade Divina, sempre me rege, me guarda, me governa e ilumina, agora e sempre. Assim seja".
Leia a matéria completa aqui ►

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Cadastro de Catequistas na CNBB

Com o objetivo de obter dados concretos sobre os catequistas no Brasil, e para saber como está sendo a presença deles nas paróquias, dioceses e regionais, a Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico–Catequética, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), montou uma plataforma para cadastrar os catequistas do país através do site da CNBB.
As informações deste cadastro de catequistas serão processadas e permitirão a elaboração dos distintos projetos de evangelização com maior aproveitamento, partindo de uma realidade concreta de cada região.
Segundo o presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-Catequética, Dom Jacinto Bergmann, o cadastro do catequista é a certeza de que ele está contribuindo para o saber catequético.
Leia a matéria completa aqui ►