Compartilhe com seus amigos.

domingo, 5 de maio de 2013

Com Maria, sempre livres e corajosos para fazer opções boas e definitivas

RealAudioMP3 Ser livre não significa fazer o que se quer, seguir as modas do tempo, passar de uma experiência a outra e permanecer adolescente por toda a vida; liberdade significa fazer opções boas e definitivas na vida, como Maria – foi a mensagem do Papa Francisco, ontem à tarde, ao fim da oração do Terço na Basílica de Santa Maria Maior, por ocasião do Primeiro Sábado deste mês mariano. Antes do momento da oração o Santo Padre, com o beijo do Crucifixo, havia tomado posse da Basílica Liberiana, saudado pelo Cardeal Santos Abril y Castelló, Arcipreste da Basílica.

Era pela segunda vez que Papa Francisco rezava a Maria Salus Populi Romani, imagem da Virgem Maria muito querida à Cidade de Roma e conservada no mais antigo templo mariano do Ocidente, a Basílica de Santa Maria Maior, e ontem colocada sobre o altar para a ocasião. A primeira vez tinha sido no dia 14 de Março, poucas horas depois da sua eleição como Papa, quando quis colocar sob a protecção e bênção da Mãe de Deus o ministério recebido. Desta vez, no primeiro sábado do mês de Maria, o Santo Padre toma posse da Basílica Liberiana e, recitando os Mistérios Gozosos do Rosário, aponta Nossa Senhora como a mãe que dá saúde aos seus filhos. Como uma mãe, Maria ajuda-nos a crescer, a enfrentar a vida, a ser livres, explica o Papa. E crescer significa não ceder à preguiça que deriva do bem-estar, da vida cómoda, significa sim assumir as próprias responsabilidades e deixar-se levar pelos grandes ideais.

Maria nos ensina também a não evitar os problemas e os desafios da vida, como se esta fosse uma estrada sem obstáculos. A Virgem conhecera igualmente momentos não fáceis e por isso pode ajudar os seus filhos a olhar com realismo para os problemas, a não perder-se neles, a saber como superá-los, sublinha o Papa

Daí a exortação do Papa Francisco a não termos medo das opções definitivas no tempo em que é muito forte a sedução do provisório, dizendo: “somos vítimas de uma tendência que nos empurra à provisoriedade … como se desejássemos ficar adolescentes por toda a vida! Não tenhamos medo dos compromissos definitivos, compromissos que envolvem e afectam toda a vida! Deste modo a nossa vida será fecunda". Maria nos ensina a estar abertos à vida, fecundos no bem, na alegria e esperança, e a sermos sinais e instrumentos da vida, concluiu o Papa.