Compartilhe com seus amigos.

domingo, 9 de março de 2014

Celebração do Rito de Admissão das crianças na Catequese do Ipu

«A catequese é uma educação da fé das crianças, dos jovens e dos adultos, que compreende especialmente o ensino da doutrina cristã, ministrado em geral dum modo orgânico e sistemático, em ordem à iniciação na plenitude da vida cristã».  Sem se confundir com eles, a catequese articula-se com um certo número de elementos da missão pastoral da Igreja que têm um aspecto catequético, preparam para a catequese ou dela derivam: o primeiro anúncio do Evangelho ou pregação missionária, para suscitar a fé; a busca das razões de acreditar; a experiência da vida cristã; a celebração dos sacramentos; a integração na comunidade eclesial; o testemunho apostólico e missionário  «A catequese está intimamente ligada a toda a vida da Igreja. “Dependem essencialmente dela não só a expansão geográfica e o crescimento numérico, mas também, e muito mais ainda, o crescimento interior da Igreja e a sua conformidade com o desígnio de Deus”. CIC 5-7 Sendo assim, a catequese é essencial na vida do cristão. Marcamos início aos 7 anos sem data de parada ou finalização.

Para demonstrar o valor da catequese na vida de seus paroquianos, a Paróquia do Ipu fez hoje a abertura oficial do processo de iniciação à vida crista das crianças em idade de catequese na Matriz. Esta celebração já vem acontecendo nas capelas e comunidades onde existe catequese. Hoje acontece com todos os grupos de catequese da Matriz em três celebrações: A primeira foi as 7 horas na Capela de Nossa Senhora no Patronato Sousa Carvalho, com a participação dos grupos de catequese: Medalha Milagrosa do Patronato Sousa Carvalho, Centro Educacional mundo Encantado da escola CEME  (mesmo nome), Nossa Senhora das Graças do Mundo Encantado( antigo Monsenhor Gonçalo), Nossa Senhora de Fátima do bairro pedrinhas, Nossa Senhora das Dores da escola Valdimira Coelho nos canudos e  Divina Misericórdia no bairro do Escondido> As demais acontecerão as 18 horas na Capela João Paulo II e as 19 horas no Santuário das Graças.
A celebração foi presidida pelo Diácono Lucas com a presença de todos os catequistas destes grupos, catequisandos e catecúmenos com seus respectivos introdutores, a maioria pais.
O Diácono acolheu e celebrou a primeira parte do Rito na porta de igreja, introduzindo os novos catequisandos e catecúmenos na primeira fase da catequese e na assembleia para a celebração da Palavra. Os Pais presentearam seus filhos com o primeiro catecismo, um livro exclusivo da catequese paroquial.  Após a homilia os pais das crianças que estão na segunda fase presentearam seus filhos com a sua primeira Bíblia.
O que acho lindo nesta maneira de catequisar é ver os pais entregando seus filhos aos cuidados da igreja para a catequese. Sabemos que todos os pais devem ser os primeiros catequistas dos filhos (DC 84 – nº. 238), e que todo o crescimento dos filhos deve ser permeado, pelo constante testemunho dos pais sendo um exemplo de vida cristã. Não há melhor catequese inicial que “a experiência cristã vivida no ambiente familiar, pois é um marca decisiva para a vida do cristão”. Por isso se faz necessário que os pais percebam que o acompanhamento catequético nada vai mudar na vida de seu filho se ele não tiver um testemunho que seja observado no seu dia a dia junto de sua família.
“A catequese é um aprendizado dinâmico da vida cristã (…) vai além do ensino, ela põe em prática a dinâmica do encontro com Jesus Cristo (…) ela educa para a vida de comunidade.” (DC 84 – 40).  É preciso nos conscientizarmos de que a catequese é uma educação da fé que tem início a  na família e se estende até a comunidade cristã. Que para educar hoje na fé a crianças e adolescentes, é necessário inovar, mas não deixar a pratica de antigas raízes da nossa fé, isto é: a oração, a missa, o comprometimento com a comunidade local entre outras coisas que devem ser praticado em família. A catequese não acontece uma vez por semana quando o catequizando está junto ao catequista, que basta deixá-la na frente da Igreja e vir buscá-la depois, isso é parte de uma grande estrutura que envolve a dinâmica de tornar este adolescente um cristão comprometido com o Reino de Deus, com a Palavra de Deus, com a sua comunidade, com sua família, consigo mesmo.

Para muitos o Rito de Admissão na catequese é coisa nova; Porem, afirmo que não. Foi o Concílio Ecumênico Vaticano II (1961-64), instrumento maravilhoso da renovação da Igreja suscitado pelo Espírito Santo, que pediu que se restabelecesse  “o Catecumenato e os sagrados ritos a serem celebrados em tempo sucessivos, conforme a  tradição” (Constituição dogmática “Sacrosanctum Concilium - 1963).
No inicio da Igreja, durante o 2º, 3º e 4º século da era cristã,  chamava-se  “Catecumenato” o itinerário espiritual com que era iniciados na fé, na vida cristã e na comunidade os que queriam ser discípulos de Jesus Cristo e membros da Igreja de Jesus Cristo. O tempo glorioso do Catecumenato foi na época dos chamados “Santos Padres da Igreja”: Santo Hipólito, Tertuliano, São João Crisóstomo, Santo Agostinho, Santo Ambrósio, etc.: um tempo de grande ardor evangelizador e missionário.
O Catecumenato, incluindo o tempo do pré-catecumenato, tinha a duração de até três anos. A última etapa do catecumenato era a Quaresma e culminava na Vigília Pascal, com a celebração dos três Sacramentos da Iniciação cristã: Batismo, Confirmação e Eucaristia.  Os catecúmenos eram introduzidos por uma pessoa da comunidade chamada “Introdutor”, ou “garante”, ou “padrinho” (“madrinha”); eram acompanhados por um  Catequista  que lhes mostravam a verdade e o caminho de Cristo e por toda comunidade que celebrava as diversas etapas destas iniciação.

Em 1975, Papa Paulo VI  promulgou o “Ritual de Iniciação Cristã de adultos” (RICA): um ritual com que as comunidades cristãs e seus padres devem acompanhar, com ritos e celebrações, o itinerário espiritual da iniciação cristã, o catecumenato.   Depois de um tempo de esquecimento, o RICA foi reeditado para a Igreja do Brasil, no ano 2001, em ocasião da 2ª. Semana brasileira de catequese e, felizmente, começa a ser assumido nas comunidades.
Conforme o RICA, os sagrados ritos catecumenais devem marcar o itinerário da iniciação cristã seja dos jovens e adultos, seja das crianças e adolescentes em idade de catequese.  No capítulo V do RICA, com o título “Ritos de Iniciação de crianças em idade de catequese”,  se diz claramente que alguns ritos devem ser usados também com as crianças da catequese: não só com que devem ser batizados, mas também com as crianças que, já batizados na infância, estão preparando-se para a Primeira Comunhão. “Com efeito - diz o Rica - as crianças que vão ser iniciadas para o Batismo pertencem, geralmente, a um grupo de companheiros já batizados, que se preparam para a Eucaristia!”
 
No Catecumenato Eucarístico, procuramos vivenciar o espírito do Catecumenato para uma autêntica iniciação cristã com crianças e adolescentes, e também fazer os Ritos que o RICA propõe no Cap. V: Rito de Admissão (ou: “Rito de  instituição dos catecúmenos”; Rito de Purificação (ou: “Escrutínios”); Batismo e Primeira Eucaristia.

Estas práticas são da igreja, portanto não é nada novo, más um desafio muito grande para nós catequistas introduzir na comunidade, devido ao desconhecimento da história da igreja. Contamos com as bênçãos de Maria, nossa mãe Santíssima, a luz do espírito Santo e a ajuda dos Santos e Anjos para esta caminhada de fé, onde iremos ajudar estas crianças abrirem mais uma porta na vida em direção ao Reino de Deus. Queremos fazer deles discípulos missionários do Senhor. Jesus espera isto de nós.