Compartilhe com seus amigos.

sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Diocese de Sobral

Diocese de Sobral

DADOS GERAIS DA DIOCESE

HISTÓRICO

                    A Igreja é chamada a representar a presença viva de Jesus Cristo no mundo. O que a alma é para o corpo, assim devem ser os cristãos atuando dentro das realidades do mundo.

Sua presença deve primar pelo serviço às pessoas, acolhendo suas alegrias e esperanças, levando o dinamismo do Evangelho, superando as contradições e implantando a fraterna solidariedade. (Cf. GS 1)

Essa presença registra-se em Sobral, desde a época da Fazenda Caiçara. Situada às margens do Rio Acaraú, foi elevada à categoria de Vila, com o nome de Vila Distinta e Real de Sobral.

Por ordem régia, que data de 14 de novembro de 1771, foi criado o seu Município, instalado aos 5 de julho de 1773.

A Diocese de Sobral foi criada a 10 de Novembro de 1915, pela bula “Catholicae Religionis Bonum”, do Papa Bento XV, sendo desmembrada da então Diocese de Fortaleza. Nosso 1° Bispo foi Dom José Tupinambá da Frota (1916-1959) e seu auxiliar, Dom José Bezerra Coutinho, falecido em 2008. O 2° Bispo foi Dom João José da Mota e Albuquerque (1961-1964). O 3° Bispo foi o saudoso Dom Walfrido Teixeira Vieira (1965-1997), falecido aos 9 de Novembro de 2001. O 4°

Bispo foi Dom Aldo di Cillo Pagotto, sss (1998 2004), hoje Arcebispo da Paraíba. O 5º. Bispo foi Dom Antônio Fernando Saburido, O.S.B., hoje Arcebispo de Olinda e Recife-PE, atualmente o 6° Bispo é Dom Odelir José Magri, MCCJ.



SITUAÇÃO GEOGRÁFICA

                    A Diocese de Sobral fica situada ao Norte Ocidental do Estado do Ceará, limitando-se com o Oceano Atlântico, com a Arquidiocese de Fortaleza, e com as Dioceses de Itapipoca, de Quixadá, Crateús e Tianguá.


LIMITES GEOGRÁFICOS

                    Sua superfície é de 17.634,7 Km². Sua População – segundo dados do IBGE: 2010, é de aproximadamente 754.328 habitantes, sendo 480.533 na Zona Urbana, e 273.795 na Zona Rural.




 ASPECTOS GEO-HUMANOS

                    A Diocese de Sobral é composta de 38 paróquias e de 02 Áreas Pastorais organizadas em 06 Regiões Pastorais, assim denominadas: Região Sede, Araras, Santa Quitéria, Coreaú, Acaraú e Meruoca. Tendo um total de 754.328 habitantes.

A Região Episcopal Sede compõe-se de 10 Paróquias, sendo 06(seis) na cidade de Sobral: Sé, Patrocínio, Fátima,  Ressurreição , São Paulo Apóstolo e Sagrado Coração de Jesus; 03(três) na zona rural (Aracatiaçú, Taperuaba e Jaibaras), e 01(uma) no Município de Forquilha. Na Região residem 23 padres.


A densidade demográfica é de 33,0 habitantes / Km², sendo sua população: 210.057 habitantes.
Fonte: Portal Diocesano
Leia a matéria completa aqui ►

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Rito de Admissão das crianças na catequese

          Este rito é parte integrante do RICA ( Ritual de Iniciação Cristã de Adultos). Nossa catequese é dois anos de preparação, sendo dividida em duas fases. A primeira fase é para crianças de 8 anos, sendo admitidas pelo Padre em uma celebração específica, dentro da celebração Eucarística. A segunda fase é para a entrega do Evangelho, após a homilia. Eis algumas partes da celebração:
          O Ritual ensina a ser celebrado na parte de fora da igreja, porem, como nossas comunidades tem uma incidência muito grande de vento fazemos a procissão dos catequistas com as crianças e seus introdutores (Pais).
Cada introdutor (Pai) estará com o livro: Oração do cristão (primeiro catecismo) para presentear seu filho. Providenciar uma velinha comum que será acesa no início da celebração.


 
Os Introdutores e as crianças fazem um semi circulo diante do Presbitério. Comentário
Padre____, irmãos e irmãs, com esta celebração queremos dar início ao Projeto de Iniciação a Vida Cristã destas crianças em nossa Paróquia. Há muito tempo, a Igreja vem percebendo a necessidade de fazer uma catequese que seja mais celebrativa e vivencial. Uma catequese não apenas de conteúdos, mas também transformadora de atitudes e de comportamentos.

Diálogo com o Padre: D: Qual é o teu nome? (Cada um fala o seu nome.)
D: Que pedes à Igreja de Deus?
Catequisandos: A fé e a graça de conhecer Cristo.
D: O que desejas ser?
Catequisandos: Quero ser discípulo missionário.
D: A vida eterna consiste em conhecermos o verdadeiro Deus e Jesus Cristo, que Ele enviou. Ressuscitando dos mortos, Jesus foi constituído, por Deus, Senhor da vida e de todas as coisas, visíveis e invisíveis.
Se vocês querem ser discípulos e membros da Igreja, é preciso que vocês sejam instituídos em toda a verdade revelada por ele; que aprendam a ter os mesmos sentimentos de Jesus Cristo e procurem viver segundo os preceitos do Evangelho; e, portanto, que vocês amem o Senhor Deus e o próximo como Cristo nos mandou fazer, dando-nos o exemplo.
Cada um de vocês está de acordo com tudo isso?
Catequisandos: Estou
(Quem preside, voltando-se para os introdutores e os fiéis, interroga-os com estas palavras ou outras semelhantes).
D: Vocês, introdutores, que nos apresentam agora estes candidatos, e vocês nossos irmãos e irmãs aqui presentes, estão dispostos a ajuda-los a encontrar e seguir Cristo?
Todos: Estou
Assinalação dos sentidos
C: Neste momento, as crianças seguram o livreto e cada Introdutor fara o Sinal da cruz na fronte de cada criança, tornando-o catequisando ao mesmo tempo que o Padre pronunciará a oração.

D: Catequisando(a) recebe na fronte o sinal da cruz: o próprio Cristo te protege com o sinal de seu amor. Aprende a conhecê-Lo e segui-Lo. (O introdutor faz com o polegar o sinal da cruz na fronte)
C: Segue-se a assinalação dos sentidos em cada novo catequisando. (As assinalações são feitas pelos introdutores).
D: Recebam nos ouvidos o sinal da cruz, para que vocês ouçam a voz do Senhor. (Ao assinalar os ouvidos)
D: Recebam nos olhos o sinal da cruz, para que vocês vejam a glória de Deus. (Ao assinalar os olhos)
D: Recebam na boca o sinal da cruz, para que vocês respondam à Palavra de Deus. (Ao assinalar a boca)
D: Recebam no peito o sinal da cruz, para que Cristo habite pela fé em seus corações… (Ao assinalar o peito)
D: Recebam nos ombros o sinal da cruz, para que vocês carreguem o jugo suave de Cristo. (Ao assinalar os ombros)
D: Eu marco vocês com o sinal da cruz: em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, para que vocês tenham a vida eterna. (Sobre todo o grupo ao mesmo tempo)
Todos: Amém!

D: Oremos. Deus todo-poderoso, que pela cruz e ressurreição de vosso Filho destes a vida ao vosso povo, concedei que estes servos e servas, marcados com o sinal da cruz, seguindo os passos de Cristo, conservem em sua vida a graça da vitória da cruz e a manifestem por palavras e gestos. Por Cristo, nosso Senhor.
Todos: Amém!
Segue a missa com a comunidade, normalmente até a liturgia da Palavra.
Entrega do Evangelho

(Após a homilia, o celebrante convida os catequisandos da segunda fase a ficar de pé com seus pais (introdutores) e pronuncia as palavras pedindo para que os pais repitam).

D: Recebe o Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo, Filho de Deus.
Criança: Amém.

D: Guarda a Palavra em teu coração.
Criança: Amém.



Ofertório

Enquanto um catequista faz a oração de compromisso, outro catequista traz a pasta com a relação dos catequisandos que estão inscritos na catequese e entrega ao Padre.

Catequista: Diante da comunidade aqui reunida e do Padre________, oferecemos no Altar do Senhor o nosso compromisso com a comunidade, com estas crianças e com Jesus, de servir a esta igreja com nosso ministério catequético e, a Deus como Discípulo Missionário do Senhor. Pedimos as bênçãos da nossa Santa Mãe Igreja e de Nossa Senhora, assim como a ajuda de toda a comunidade, para que este trabalho Evangelizador possa render os frutos desejados por Jesus Cristo, Nosso Senhor.














Leia a matéria completa aqui ►

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Paróquia do Ipu completa 100 anos do lançamento de sua pedra fundamental

 Em Outubro a Paróquia São Sebastião de Ipu completará 100 anos do lançamento da pedra fundamental..
Endereço: Rua Dr. Chagas Pinto, 525 – Centro – CEP 62.250 – Ipu – Ce
Pároco: Pe. Raimundo Nonato Timbó de Paiva
Região Episcopal: Araras
Eis o que consta no livro de tombo (setembro de 1948) “A Lei 2037, de 27 de outubro de 1883, sancionada pelo Governador Dr. Satyro Dias, suprimiu a Freguesia de São Gonçalo do Amarante da Serra dos Cocos e elevou à categoria de Matriz a Igreja de São Sebastião da Vila Ipu, passando a freguesia de São Sebastião.”

Breve Histórico da Paróquia de São Sebastião do Ipu

     A história da Paróquia de São Sebastião remete ao início do século XVIII.
     Em 1712 foi criado pela Junta das Missões da Diocese de Pernambuco o Curato do Acaracu (forma antiga de Acaraú), cujo território compreendia toda a porção noroeste da Capitania do Ceará, desde o Rio Parnaíba até o Rio Acaraú; abrangia toda a Serra da Ibiapaba, Meruoca, Sobral e o sertão do vale dos rios Acaraú e Macaco
    
     Em 12 de maio de 1791, o território da Freguesia de São Gonçalo emancipou-se politicamente com a criação da Vila Nova d'El Rey. Para sede da vila foi escolhido o povoado do Campo Grande, o que aumentou o isolamento da Matriz de São Gonçalo.
     Ainda no final do século XVIII, no arraial do Ipu, foi doado um terreno para constituir o patrimônio de São Sebastião e foi construída a primeira igreja no centro do quadro formado pelas casas do arraial. Essa primeira igreja tinha a frente voltada para o poente e dizem ter sido coberta de palhas.
     A 26 de agosto de 1840, a sede da Vila Nova d'El Rey foi transferida para o Ipu, tomando o nome de Vila Nova do Ipu Grande. Mais ou menos em 1845, chega ao Ipu o último cura da Freguesia de São Gonçalo da Serra dos Cocos, o padre Francisco Corrêa de Carvalho e Silva. Ao que tudo indica, foi o primeiro sacerdote a fixar residência no Ipu. Sua justificativa para não morar na sede da Freguesia era o fato de haver encontrado a igreja de São Gonçalo em péssimo estado, com paredes ruindo, o que impossibilitava seu uso para as celebrações. A providência que tomou foi a de mandar demolir a antiga igreja para que fosse construída outra. Enquanto isso, conseguiu autorização para transferir as alfaias e ornamentos para a capela de São Sebastião.
     A construção da atual igreja da Matriz arrastou-se por muitos anos. Enquanto isso, resolveu o Padre Corrêa demolir também aquela primitiva capela que havia no Ipu e mandou construir a atual igrejinha.
     Dessa forma, a capela da igrejinha remonta à segunda metade do século XIX, não sendo a primeira igreja do Ipu, como dizem alguns. Conheça a história da Igrejinha
     O Padre Corrêa faleceu no Ipu a 13 de junho de 1881, sendo nomeado para seu sucessor o Padre João José de Castro. No entanto, em 27 de outubro de 1883, a antiga Freguesia de São Gonçalo da Serra dos Cocos foi extinta, sendo criadas em seu lugar as Freguesias de Nossa Senhora da Conceição de Ipueiras e a de São Sebastião do Ipu. A igreja de São Gonçalo passou a ser capela da Freguesia de Ipueiras.
     O Padre João José de Castro foi, dessa forma, o primeiro pároco do Ipu, visto que o Padre Corrêa, apesar de residir por aqui, era oficialmente pároco da Freguesia de São Gonçalo.
     Em 1886, o Ipu foi elevado à categoria de cidade. A economia e a cultura desenvolviam-se e o padre João de Castro, além de seu trabalho pastoral, atuou em outros âmbitos, tendo sido fundador e primeiro presidente do Gabinete Ipuense de Leitura e organizado a festa de inauguração da Estação da Estrada de Ferro de Sobral, em 1894, ano em que veio a falecer.
     A seguir, veio o Padre Máximo Feitosa de Castro, permanecendo no Ipu de 1894 a 1911. Priorizando o trabalho pastoral, fundo o Apostolado da Oração e duas Conferências Vicentinas.
     O Padre Aureliano Mota chegou ao Ipu em 1911 para suceder o padre Máximo Feitosa. Percebendo o crescimento econômico do Ipu e a posição privilegiada da cidade, tratou de chamar para cá seu irmão, o jurista, folclorista e escritor Leonardo Mota. Permaneceu à frente da Freguesia de São Sebastião por apenas cinco anos, o suficiente para idealizar a construção de uma igreja matriz que deveria ser a maior e mais bela de toda a região norte. A planta foi feita pelo arquiteto Arquimedes Memória e a pedra fundamental lançada em 1914. O jornal O Rebate, de Sobral, noticiou o fato na edição de 24 de outubro de 1914 com as seguintes palavras: "Com desusada solemnidade realizou-se domingo ultimo, no Ipú, a bençao da primeira pedra fundamental da nova egreja-matriz daquella cidade, grandioso emprehendimento que pretende levar a effeito, ali, o seu actual vigario, padre dr. Aureliano Mota."
     Com a transferência do Padre Aureliano para Quixeramobim, foi designado para o Ipu o Padre Gonçalo de Oliveira Lima, assumindo a Paróquia em 09 de abril de 1916. Continuou a construção da matriz a qual, devido às suas grandes dimensões, levou 26 anos para ser concluída. Padre Gonçalo enfrentou dificuldades, como as grandes secas de 1919 e 1932, quando foi criado em Ipu um campo de concentração para os flagelados, aos quais o padre deveria prestar auxílio espiritual.
   Por duas vezes assumiu cumulativamente as paróquias de Ipu e Guaraciaba do Norte, sendo a primeira de 12 de junho de 1920 a 02 de dezembro de 1922 e a segunda de 26 de junho de 1923 a 28 de outubro de 1925.
   Em 1947, com 63 anos de idade (idoso para a época), o então Monsenhor Gonçalo entregou a paróquia ao Padre Francisco Ferreira de Moraes. Este tomou posse no dia 10 de janeiro daquele ano e permaneceu à frente da Paróquia de São Sebastião do Ipu por mais de cinqüenta anos.
   Preocupado com o bem estar de seus paroquianos, o Padre Moraes buscou recursos para a construção de vários obras consideradas fundamentais para o desenvolvimento da cidade. Entre elas, destacam-se o Centro de Puericultura, onde dava-se assistência às crianças e gestantes; o Patronato Sousa Carvalho, construído com apoio financeiro da família Sousa Carvalho, natural do Ipu mas há muito morando no Sudeste do país; a Escola Profissional, onde funcionava um curso ginasial, uma tipografia, escola de música e de marcenaria; a Maternidade Doutor Francisco Araújo; e o Centro Social Urbano.
   Em dezembro de 1999, foi tornado vigário emérito por decisão de então Bispo da Diocese de Sobral, D. Aldo Pagotto. Em seu lugar, assumiu a Paróquia a então vigário diocesano Padre Raimundo Nonato Timbó de Paiva, o qual dirige a Paróquia atualmente.

Clima, relevo predominante:

O clima é semiárido quente: a oeste na zona serrana tem clima fresco atenuado pela altitude. A temperatura do ano inteiro varia de 24º C a 34ºC.
O Município está dentro da Mesorregião do Noroeste Cearense, portanto localizado na Microrregião do Ipu que engloba os seguintes municípios: Ipu, Ipueiras, Pires Ferreira, Poranga, Reriutaba e Varjota. Fica também, na Zona Fisiográfica de Sobral, tendo como sede a cidade de Ipu, a 247,20m de altitude, as suas coordenadas geográficas estão assim distribuídas: Latitude 4º 19’20” S; Latitude 40º 42’39”W. Situa-se ao pé da Cordilheira da Ibiapaba, às margens do ribeirão Ipuçaba.
Orografia: A Ibiapaba margeia o município de norte a sul. Na área sertaneja encontram-se os serrotes Flores e Fuzil. Superfície 634.l km²

Limites Geográficos com relação a outras paróquias:

A Paróquia de São Sebastião de Ipu, limita-se ao Norte com a Paróquia de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro – Pires Ferreira; ao Sul com a Paróquia de Nossa Senhora da Conceição – Ipueiras (Diocese de Crateús); a Leste com a Paróquia de Nossa Senhora da Conceição – Hidrolândia e a Oeste com as Paróquias e de Nossa Senhora dos Prazeres – Guaraciaba do Norte e Nossa Senhora das Dores – Croatá (Diocese de Tianguá)

Padres que por aqui passaram: 

Padres
Reside/Posse
Saída
João José de Castro
13 de Novembro 1983
+ 11 de Junho 1893
Fco. Máximo Feitosa e Castro
1893
1911
Aureliano Mota
23 de Setembro 1911
Fevereiro de 1916
Gonçalo de Oliveira Lima
19 de Abril 1916
21 de Dezembro 1946
Fco. Ferreira de Moraes
10 de Janeiro 1947
08 de Dezembro 1999
Raimundo Nonato de Paiva
09 de Dezembro 1999
-
  •   O Pe. Francisco Corrêa de Carvalho e Silva não foi pároco, mas morou em Ipu desde 1845, como vigário colado da Matriz de São Gonçalo da Serra dos Cocos, até seu falecimento, em 13 de junho de 1881. (36 anos). Portanto, são 159 presença ininterrupta de Padres na cidade de Ipu

Jorge Luiz Ferreira Lima
graduado em História
pela Universidade Estadual Vale do Acaraú
 Saiba mais sobre a Paroquia de Ipu
ARAUJO, Pe Francisco Sadoc. História Religiosa de Guaraciaba do Norte. Fortaleza: Imprensa Oficial do Ceara, 1988.
MELLO, Maria Valdemira Coelho. O Ipu em três épocas. Fortaleza: Popular Editora, 1985.
MENEZES, Antônio Bezerra. Notas de viagem. Fortaleza: Imprensa Universitária do Ceará, 1965.

SOUSA, Eusébio de. Chronica do Ipu. In: Revista do Instituto do Ceará. t.XXIX, 1915, pp 157-243.
Leia a matéria completa aqui ►

Por que o Papa não dá a comunhão?


Não sei se todos sabem que, na Igreja Católica, existe uma norma para a distribuição da Eucaristia durante a missa: quando o bispo, os padres e os diáconos estão presentes, quem dá a comunhão ao povo são eles, não os ministros extraordinários. Só ficam isentos quando idosos, doentes e fatigados. Contudo, desde quando era arcebispo de Buenos Ayres, o Papa Francisco age diferente: deixa essa tarefa para outros ministros. Não são poucas as pessoas que lhe perguntam os motivos... A resposta está em seu livro “Sobre o Céu e a Terra”.

«Davi foi adultero e autor intelectual de um assassinato. Apesar disso, nós o veneramos como santo porque teve coragem de reconhecer o seu pecado. Humilhou-se perante Deus. As pessoas podem fazer grandes bobagens, mas, também, podem se arrepender, mudar de vida e reparar o que fizeram. Entre os fiéis, há alguns que matam não só intelectualmente ou fisicamente, mas também indiretamente, pelo mau uso do dinheiro, pagando salários injustos. Talvez façam parte de sociedades beneficentes, mas não pagam a seus funcionários o que lhes é devido, ou os contratam “por fora”.

Conhecemos o currículo de alguns deles; passam por católicos, mas têm atitudes imorais, das quais não se arrependem. É por isso que, em certas situações, eu não dou a comunhão. Fico sentado, e os assistentes a distribuem. Não quero que essas pessoas se aproximem de mim para fazer fotografias. De per si, seria possível negar a comunhão a um pecador público que não se arrepende, mas é muito difícil comprovar essas coisas. Receber a comunhão significa receber o corpo do Senhor, com a consciência de que formamos uma comunidade. Mas, se alguém, ao invés de unir o povo de Deus, ceifa a vida dos irmãos, não pode comungar: seria uma contradição total.

Tais casos de hipocrisia espiritual acontecem com muitas pessoas que se abrigam na Igreja e não vivem segundo a justiça que Deus quer. Não demonstram nenhum arrependimento. Vulgarmente dizemos que levam uma vida dupla». Quem ajudou o Cardeal Jorge Bergoglio e agora Papa Francisco a tomar e a manter essa atitude foi a foto que, em 1987, circulou pelo mundo, revelando que o Papa João Paulo II, em sua visita ao Chile, dera a comunhão ao ditador Augusto Pinochet...

Mas, como ele próprio se pergunta, pode-se recusar a hóstia a uma pessoa que se aproxima para comungar? E caso se possa, convém fazê-lo? Em tempos não muito remotos, havia padres que, com muita facilidade, a negavam não apenas a bêbados, maltrapilhos e doidos, mas também a “pecadores públicos” e a mulheres com trajes inadequados.

Na prática, quem é que poderia ou deveria receber a comunhão? De per si, a resposta é simples: quem adere à fé da Igreja Católica; quem assume a sua doutrina; quem se esforça por viver o Evangelho, inclusive nas páginas que lhe parecem difíceis. Assim sendo, se o amasiado não pode comungar, poderá fazê-lo o adúltero, o ladrão, o corrupto? Poderá, se ele se arrepender de seus pecados e perseverar num processo de conversão. Caso contrário, receber a hóstia nada significa. Pior ainda: faz mais mal do que bem.

Para São Paulo, só entra em comunhão com o corpo e sangue de Cristo quem assume o compromisso de construir a comunhão com os irmãos: «Pelas divisões que há entre vós, vossas celebrações trazem mais prejuízos do que benefícios. De fato, quando vos reunis, não participais da Ceia do Senhor, porque a vossa preocupação é consumir a própria ceia. E, enquanto um passa fome, o outro se embriaga. Cada um examine a si mesmo antes de comer deste pão e beber deste cálice. Quem come e bebe sem discernir o Corpo do Senhor, come e bebe a própria condenação. Eis por que entre vós há tantos fracos, tantos doentes e tantos mortos!» (1Cor 11, 17-18.20-21.28-30).

“Fracos, doentes e mortos”, apesar de comungarem seguidamente. É o pecado de alguns cristãos de Corinto e de hoje: muitas “comunhões” e pouca comunhão! Não é suficiente receber a hóstia para estar com Jesus: é preciso acolhê-lo também no irmão. A fé é unitária: não pode ser assumida em parcelas ou prestações...
Dom Redovino Rizzardo
Bispo de Dourados (MS)

Fonte CNBB
Leia a matéria completa aqui ►

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Admissão das crianças na catequese.

 A Catequese da Paróquia de São Sebastião de Ipu começou mais um ano Catequético, agora trabalhando em nível de Iniciação a Vida Cristã. Apesar de sabermos que faz parte da espiritualidade de todo batizado, ter uma vida cristã, sabemos que as pessoas tem se afastado de Deus e da igreja de seu Filho Jesus Cristo devido o secularismo religioso em que estamos vivendo. A cada dia as pessoas tem procurado o batismo, porem não vive a fé cristã. Ao contrário dos nossos pais, os pais de hoje não mais educam seus filhos na fé que professam, tornando o trabalho catequizador cada vez mais difícil.

O projeto de Iniciação a Vida Cristã vem nos ajudar a desenvolver um trabalho catequético Evangelizador, de acordo com o que o mestre Jesus nos mandou: Ide ensinar a todos os povos. Mt 28, 19. Nosso primeiro trabalho foi de esclarecimento e formação dos nossos catequistas. Durante o mês de dezembro visitamos a maioria das comunidades esclarecendo aos pais a necessidade de serem fiéis ao compromisso de educadores. Tudo que uma pessoa é quando cresce depende da educação aplicada pelos pais na sua infância.
Agora chegou a hora de admitir as crianças na catequese. Como o projeto de Iniciação a Vida Crista está de acordo com o RICA, após as crianças receberem o primeiro anúncio [é admitido na catequese através de um rito próprio.
Começamos o rito de admissão para crianças na catequese nas capelas. Já foram admitidas as crianças das comunidades de Barra da Ingazeira e Santa Luzia. Hoje foi a vez das crianças do Olho d’águinha e Passa Sede.
Tive o prazer de acompanhar o rito das crianças do Passa Sede. Foi maravilhoso. O próprio Padre admitindo as crianças na catequese é  demostrar o valor que cada pessoa tem para Jesus e para a igreja. E Buscar fazer em tudo a vontade de Deus, a começar pela santidade. Enquanto observava as mães fazendo a assinalação junto com o Padre, eu ficava imaginando: "Este gesto deveria ser feito desde os primeiros anos das crianças. A mãe que ensina seu filho a rezar assim que ele aprende a falar terá uma criança com muito mais intimidade com Deus."

Quem presidiu a celebração foi Padre Natálio, filho da terra que a 8 anos vem passar suas férias conosco e celebrar os festejos do Mártir Santo São Sebastião. Padre Raimundo Natalio do Nascimento, filho de Francisco da Silva Lima e Expedita Batista da Silva, nascido no Antigo Bairro dos Pereiros que hoje chamamos João Paulo II. 
Leia a matéria completa aqui ►

domingo, 19 de janeiro de 2014

A oração do terço na internet


Mês do Rosário
Outubro é um mês rico de festas litúrgicas, solenidades e memórias. A Igreja nos pede mais fervor na oração do rosário.
Celebraremos no dia 7 de outubro a festa da Bem-Aventurada Virgem do Rosário. A Virgem nos convida a contemplar a beleza dessa prece tão simples e tão profunda. O Papa João Paulo II foi um grande apóstolo do Rosário: na Carta Apostólica "O Rosário da Virgem Maria", ele convida a Igreja a iniciar o terceiro milênio com um novo dinamismo, lançando as redes em águas mais profundas, confiante no Cristo, como fim e sentido da história e luz do nosso caminho, através da introdução de mais um "terço": os mistérios Luminosos. 
        O Rosário é uma oração contemplativa e cristocêntrica, não se deve rezar o rosário sem a meditação da Sagrada Escritura. É a prece do cristão na sua peregrinação da fé, seguindo os passos de Jesus, na companhia de Maria.
Para ajudar os nossos visitantes na reza do rosário ou do santo terço, estamos colocando um link para um software da oração do santo terço. Você pode baixar este software, instalar em seu computador e todos os dias rezar o santo terço com sua família e serás abençoado. O link está aqui 
Leia a matéria completa aqui ►