Compartilhe com seus amigos.

segunda-feira, 6 de julho de 2015

Apresentação da Dinâmica Quaresmal - A alegria de voltar à casa do Pai



Do Coração de Jesus ao nosso coração.
               A quaresma é tempo de nos convertermos para celebrarmos dignamente a grande festa da Páscoa. A igreja nos convida a vivermos 40 dias reflexão e penitencia, buscando em tudo a conversão, para recuperarmos a dignidade de filhos de Deus, vivendo a santidade proposta pelo Evangelho.
Neste tempo, Cristo nos convida a mudar de vida. O tempo da Quaresma é o momento oportuno para ouvirmos João Batista: Eu sou a voz do que clama no deserto: Endireitai o caminho do Senhor, como disse o profeta Isaías. João 1, 23. A maneira correta de endireitarmos o caminho do Senhor é escutando a Palavra de Deus, orando, compartilhando com o próximo e praticando boas obras. As nossas atitudes devem ser de verdadeiros cristãos, discípulos de Jesus Cristo, já que por ação do pecado, o mundo nos afasta de Deus. Por isso, a quaresma é tempo de perdão, de reconciliação fraterna, tempo de retirar de nossos corações o ódio, o rancor, a inveja, os zelos que se opõem a nosso amor a Deus e aos irmãos.
A quaresma é o momento oportuno para escolhermos que porta queremos abrir para entrarmos no Reino de Deus. Assim disse Jesus: “Entrai pela porta estreita, pois larga é a porta e amplo o caminho que levam à perdição, e muitos são os que entram por esse caminho”. Mateus 7,13. E Ele lhes exortou: “Esforçai-vos por adentrar pela porta estreita, pois Eu vos asseguro que muitas pessoas procurarão entrar e não conseguirão”. Lucas 13,24.

Palavra da Santa Mãe Igreja

 Trecho da mensagem do Santo Padre, o Papa Francisco:
Deus ama tanto o homem a ponto de entregar o seu Filho pela sua salvação. Na encarnação, na vida terrena, na morte e ressurreição do Filho de Deus, abre-se definitivamente a porta entre Deus e o homem, entre o Céu e a terra. E a Igreja é como a mão que mantém aberta esta porta, por meio da proclamação da Palavra, da celebração dos Sacramentos, do testemunho da fé que se torna eficaz pelo amor (cf. Gl 5, 6). O mundo, porém, tende a fechar-se em si mesmo e a fechar a referida porta através da qual Deus entra no mundo e o mundo n’Ele.
Os livros do Antigo Testamento preanunciaram a alegria da salvação, que havia de tornar-se superabundante nos tempos messiânicos. O profeta Isaías dirige-se ao Messias esperado, saudando-O com regozijo: «Multiplicaste a alegria, aumentaste o júbilo» (9, 2). E anima os habitantes de Sião a recebê-Lo com cânticos: «Exultai de alegria!» (12, 6).
A quem já O avistara no horizonte, o profeta convida-o a tornar-se mensageiro para os outros: «Sobe a um alto monte, arauto de Sião! Grita com voz forte, arauto de Jerusalém» (40, 9). A criação inteira participa nesta alegria da salvação: «Cantai, ó céus! Exulta de alegria, ó terra! Rompei em exclamações, ó montes! Na verdade, o Senhor consola o seu povo e se compadece dos desamparados» (49, 13).
 Zacarias, vendo o dia do Senhor, convida a vitoriar o Rei que chega «humilde, montado num jumento»: «Exulta de alegria, filha de Sião! Solta gritos de júbilo, filha de Jerusalém! Eis que o teu rei vem a ti. Ele é justo e vitorioso» (9, 9).
Mas o convite mais tocante talvez seja o do profeta Sofonias, que nos mostra o próprio Deus como um centro irradiante de festa e de alegria, que quer comunicar ao seu povo este júbilo salvífico. Enche-me de vida reler este texto: «O Senhor, teu Deus, está no meio de ti como poderoso salvador! Ele exulta de alegria por tua causa, pelo seu amor te renovará. Ele dança e grita de alegria por tua causa» (3, 17).
É a alegria que se vive no meio das pequenas coisas da vida quotidiana, como resposta ao amoroso convite de Deus nosso Pai: «Meu filho, se tens com quê, trata-te bem (...). Não te prives da felicidade presente» (Sir Ben Sirá (ou Eclesiástico)14, 11.14). Quanta ternura paterna se vislumbra por detrás destas palavras!
 O Evangelho, onde resplandece gloriosa a Cruz de Cristo, convida insistentemente à alegria. Apenas alguns exemplos: «Alegra-te» é a saudação do anjo a Maria (Lc 1, 28). A visita de Maria a Isabel faz com que João salte de alegria no ventre de sua mãe (cf. Lc 1, 41). No seu cântico, Maria proclama: «O meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador» (Lc 1, 47).
E, quando Jesus começa o seu ministério, João exclama: «Esta é a minha alegria! E tornou-se completa!» (Jo 3, 29). O próprio Jesus «estremeceu de alegria sob a ação do Espírito Santo» (Lc 10, 21). A sua mensagem é fonte de alegria: «Manifestei-vos estas coisas, para que esteja em vós a minha alegria, e a vossa alegria seja completa» (Jo 15, 11).

A nossa alegria cristã brota da fonte do seu coração transbordante. Ele promete aos seus discípulos: «Vós haveis de estar tristes, mas a vossa tristeza há-de converter-se em alegria» (Jo 16, 20). E insiste: «Eu hei-de ver-vos de novo! Então, o vosso coração há-de alegrar-se e ninguém vos poderá tirar a vossa alegria» (Jo 16, 22). Depois, ao verem-No ressuscitado, «encheram-se de alegria» (Jo 20, 20). O livro dos Actos dos Apóstolos conta que, na primitiva comunidade, «tomavam o alimento com alegria» (2, 46). Por onde passaram os discípulos, «houve grande alegria» (8, 8); e eles, no meio da perseguição, «estavam cheios de alegria» (13, 52). Um eunuco, recém-baptizado, «seguiu o seu caminho cheio de alegria» (8, 39); e o carcereiro «entregou-se, com a família, à alegria de ter acreditado em Deus» (16, 34). Porque não havemos de entrar, também nós, nesta torrente de alegria?
Tendo Jesus Cristo como porta para Deus, vamos fazer da nossa quaresma o tempo ideal para encontrarmos as chaves certas e abri-la.
Disse Jesus: Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo. Apocalipse 3:20 Quem desejar comer a Ceia Pascal que o Senhor preparou para seus amados, ainda é tempo de conversão. Aproveite.
A nossa catequese, buscando aprofundar o processo de Iniciação a Vida Cristã irá fazer uma dinâmica tão significativa que terá início na quaresma e não terá mais fim. Digo que não terá fim, pois queremos penetrar o Coração de Jesus, princípio e Fim. Para isso usaremos a simbologia da porta. De acordo com a passagem a cima, a porta do nosso coração é trancada por dentro e só nós temos a chave. Jesus está a porta e bate. Precisamos da chave certa para abrir a porta.
Esta dinâmica terá dois grandes momentos: O primeiro momento será para abrirmos a porta do Coração de Jesus e n’Ele fazermos morada. O segundo momento será para abrirmos a porta do nosso coração e deixarmos Jesus, nele fazer morada.
Disse Jesus “Eu sou a porta. Se alguém entrar por mim, será salvo; entrará, e sairá, e achará pastagem” João 10,9.
Iremos utilizar a linguagem do entrar e sair: Sairemos de nós mesmos para adentrar o coração de Jesus. Abandonaremos nossos velhos hábitos para adquirirmos novos, de acordo com a vontade do Senhor. Este entrar e sair será constante, pois logo sairemos do Coração de Jesus para retornar ao nosso, e transbordando  o amor de Deus, iremos levar este amor a todos os corações que encontrarmos.
Depois de todo este processo realizado, teremos a ALEGRIA de fazermos o Reino de Deus acontecer em nosso meio. Para encontrarmos a chave certa iremos construir um Acróstico baseado nas Palavras do Senhor:  “Fiquem ALEGRES porque os nomes de vocês estão escritos no céu” Lucas 10,20.
Queremos responder ao desafio de abrir a porta para passar do encontro pessoal com Jesus Cristo, ao anúncio renovado que proporciona aos crentes, uma nova alegria na fé e uma fecundidade evangelizadora. (Papa Francisco)
Da Quaresma
Ao Tempo Pascal
I Domingo                   Arrepende-te
II Domingo                 Levanta-te
III Domingo               Edifica
IV Domingo               Glorifica
V Domingo                Recria-te
Domingo de Ramos   Imita
Páscoa                            Anuncia

II Domingo de Páscoa        Acreditai
III   Domingo de Páscoa     Levai
IV  Domingo da Páscoa      Escutai
V  Domingo da Páscoa       Guardai

VI  Domingo da Páscoa      Respondei
Ascensão do Senhor            Ide
Pentecostes                                   Avançai
Quer saber como fazer a dinâmica? Iremos fazer um recipiente em forma de Coração para colocar o Evangelho dentro. A frente do coração será móvel contendo sete desenhos de porta em forma de bolso. Em cada semana da quaresma colocaremos uma palavra chave (ação). No domingo da ressurreição colocaremos a última chave que abrirá a porta e revelará o Amor de Deus contido no Coração de Jesus (A Palavra de Deus). Durante a quaresma estudaremos os pecados capitais e na Páscoa as Virtudes. Para saber mais clique aqui: Dinâmica de Páscoa. Ou abra a porta.do seu coração e deixe Jesus fazer morada.
Um Coração humano, um coração Divino, repleto de amor, sete portas para adentrar estes corações, sete chaves. Encontre a sua e abra a porta do seu coração para entrar no coração de Jesus.
Como fazer a Dinâmica Pascal 
Dinâmica Pascal – I Domingo da Quaresma - Arrepender 
Dinâmica Pascal – II Domingo da quaresma – Levantar 
Dinâmica Pascal – III Domingo da quaresma – Edificar 
Dinâmica Pascal – IV Domingo da quaresma – Glorificar 
Dinâmica Pascal – V Domingo da quaresma – Recriar 
Dinâmica Pascal – Domingo de Ramos – Imitar -